Propaganda-fluxo-de-caixa.png
  • Rodrigo Paiva

NFT e a Arte: um novo tipo de investimento que tem conquistado investidores!


NFT Neymar


Nesta edição do [2a. INVEST] vamos falar sobre NFT, que é a sigla em inglês para non-fungible token, ou token não fungível.


Os NFTs podem ser uma realidade distante para boa parte dos usuários da internet, mas já movimenta bilhões, como veremos mais a frente, e comercializá-los pode ser uma oportunidade para artistas independentes venderem seu trabalho digitalmente.


Em janeiro deste ano o jogador de futebol Neymar Jr. pagou cerca de R$ 6 milhões por dois desenhos de macacos da coleção Bored Ape Yatch Club, comercializados como NFTs.


O cantor Justin Bieber também gostou das obras de arte e adquiriu um NFT da mesma coleção por aproximadamente R$ 6,9 milhões. O acervo de Biber já conta com mais de seiscentas NFTs de 49 coleções diferentes. O rapper Eminem também é outro que adquiriu uma NFT do "macaco entediado".


Um mercado em franca expansão


A Nike comprou, em dezembro de 2021, uma startup de NFTs. Um exemplo de como as marcas também abriram o olho para a novidade, e, assim como acontece com o metaverso, procuram maneiras de faturar com os NFTs. No caso da Nike, a empresa planeja lucrar com a venda de calçados virtuais.


Por mais estranho que possa parecer, essas operações seguem uma lógica antiga: a atribuição de valor a ativos que são certificados como originais e exclusivos. E é esta certificação que a tecnologia NFT proporciona.


O que é NFT?


NFT é a sigla para non-fungible token, ou token não fungível, um ativo criado a partir da tecnologia blockchain que serve como identidade digital de um item. O NFT assegura a autenticidade daquele item, que é único. Ou seja, o ativo garante a posse de um bem exclusivo, que nenhuma outra pessoa tem.


Para entender melhor, vamos pensar na famosa pintura de Leonardo da Vinci: a Mona Lisa. A obra original, encontra-se no Museu do Louvre, em Paris.


Mona Lisa no Louvre, em Paris.


Você pode comprar um poster com a imagem da “Gioconda” ou uma reprodução praticamente igual pintada a óleo, mas nenhuma dessas cópias chegará perto do valor da pintura original.


Tomando como exemplo o mundo da arte, o NFT pode servir para atestar a originalidade da obra digital — como os desenhos de macacos comprados por Neymar, Bieber e Eminem.


Uma arte que vira um NFT se torna um criptoativo e passa a ter um certificado de autenticidade ligado a ela. A lista de obras comercializadas nessa tecnologia é extensa: memes, GIFs, roteiros, música, jogos, projetos de design, manuscritos e a uma infinidade de outros itens. Ou seja, como em obras de artes, temos esculturas, pinturas, desenhos e outros.


Vale dizer que o NFT em si não é um arquivo de computador, e sim um ativo que existe em uma blockchain, ou um criptoativo.


Portanto, o NFT assemelha a uma criptomoeda, que também utiliza a tecnologia do blockhain, com algumas diferenças que veremos a seguir.


Um dos NFTs que Neymar adquiriu e divulgou em suas redes sociais


O que significa token não fungível?


NFT é portanto a sigla para non-fungible token e a tradução é token não fungível. Detalhamos a tradução para facilitar o entendimento:


  1. Token é um criptoativo, um ativo digital registrado em uma blockchain, que pode ser comprado, vendido ou trocado;

  2. Blockchain é uma tecnologia que permite o registro e transferência de dados digitais com uma criptografia muito sofisticada e de forma totalmente segura;

  3. Não fungível é um ativo que não pode ser substituído por outro “da mesma espécie, qualidade e quantidade”.

Cada NFT, portanto, é um token único, original e autêntico.


Qual a relação entre criptomoedas e os NFTs?


Assim como as criptomoedas, os NFTs existem dentro do universo do blockchain, um banco de dados público e imutável, em uma rede descentralizada com regras preestabelecidas.


Além disso, os NFTs são negociados em criptomoedas.


Isto é, para comprar esse tipo de ativo, você precisa antes adquirir uma moeda digital (as moedas aceitas variam de acordo com o marketplace).


Diferença entre NFT e criptomoedas


A grande distinção é que as criptomoedas, como Bitcoin e Ethereum, por exemplo, são fungíveis. Isto é, não há diferença entre as unidades em circulação.


Já um NFT representa um bem que é único e não pode ser substituído por um igual.


Tanto as criptomoedas quanto os NFTs utilizam criptografia para a proteção dos investidores.


No entanto, os tokens não fungíveis apresentam desafios adicionais em relação à segurança, pela possibilidade de fraudes e comercialização de NFTs fakes (cópias apresentadas como se fossem os arquivos originais).


Em resumo, portanto, é comum observar NFTs e criptomoedas no mesmo debate porque os NFTs são cotados e negociados por meio das criptomoedas, e ambos utilizam o blockchain em suas operações.


Mas as semelhanças terminam por aí.


Qual a relação entre os games e os NFTs?


O mercado dos games é talvez o mais promissor para a exploração dos NFTs, e aquele em que os cripto ativos fazem bastante sentido do ponto de vista prático.


Estamos falando de uma opção de entretenimento que ocorre no ambiente virtual e que tem um enorme público ávido por exclusividade e diferenciação.


Imagine ser o único jogador de um game super popular com determinado personagem ou equipamento.


Isso pode representar uma vantagem competitiva no game e, mais do que isso, ser um imenso fator de diferenciação, porque nenhum outro jogador terá o recurso que você adquiriu. A não ser que você venda o NFT.


Afinal, depois de criado o NFT, o desenvolvedor não pode alterar suas características, o que o torna um item raro, com potencial de revenda.


Ainda há desafios técnicos e de modelo de negócio para que isso seja difundido amplamente na indústria dos games, mas já há vários jogos feitos na blockchain em que os jogadores podem ganhar NFTs como premiação pelo seu desempenho. Alguns exemplos são Axie Infinity, Farmers World e The Sandbox Game.


Como criar um NFT?


Qualquer pessoa pode criar um NFT. E você pode criá-lo a partir de qualquer coisa.


Tirou uma fotografia diferenciada? Pode criar um NFT para atestar a originalidade da foto. No entanto, saiba desde já que você vai ter que investir dinheiro para criar um NFT. Algo em torno de US$ 70. Para que você se aventure neste mercado é preciso ter um plano realista para recuperar o seu investimento.


O passo a passo básico para criar um token não fungível é o seguinte:

  1. Escolha a plataforma (a mais popular é a Ethereum)

  2. Configure sua carteira digital (a mais usada é a MetaMask)

  3. Transfira dinheiro para essa carteira e pague o custo de mineração (para poder criar a NFT)

  4. Selecione a plataforma de marketplace para criar e vender o NFT (a mais usada é a OpenSea)

  5. Faça o upload do arquivo

  6. Determine o preço do NFT (pode ser fixo ou por leilão)


Segundo a DappRadar, as vendas de NFTs movimentaram cerca de US$ 25 bilhões em 2021.


Um valor nada desprezível e que chama atenção de muita gente em busca de oportunidades para ganhar dinheiro. De fato, qualquer um pode criar um NFT, mas isso só faz sentido financeiramente se o criador tiver sucesso em atribuir valor a algum item.


Como cada NFT é único, apenas uma pessoa terá o ativo original, o que gera escassez. Quando o item é desejado e escasso, naturalmente se torna mais caro. Com a evolução do metaverso, porém, os NFTs tendem a se tornar cada vez mais comuns.


Como e onde comprar um NFT?


Por enquanto, comprar um NFT não é tão simples assim! Primeiro, você precisa de uma carteira digital de criptomoedas.


A MetaMask é a mais usada e permite interagir com a blockchain Ethereum. Tendo saldo nessa carteira, basta acessar um marketplace especializado em operações de compra e venda de NFTs.


O maior e mais popular é o OpenSea, uma plataforma americana criada em 2017. Lá, você navega por diversas coleções de NFTs, em categorias como arte, colecionáveis, nomes de domínios, música, fotografia e outros.


Veja aqui algumas opções da coleção Bored Ape Yacht Club que estão disponíveis para compra na OpenSea, a mais barata por 85 WETH, equivalentes a US$ 265.880,85 ou a bagatela de R$ 1.401.212,76 (cotação 07/02/22 1 US$ = R$ 5,27).



Outras opções são:

  • Binance NFT

  • Coinbase NFT

  • FTX NFTs

  • Magic Eden

  • Rarible

  • Zora


Quais são os NFTs mais valiosos?


No fim de dezembro de 2021, o site Yahoo! Finance fez um levantamento e listou as 5 compras de NFTs mais caras do ano que estava se encerrando.


Veja o ranking:


1. Everydays: The First 5000 Days (Beeple)


O artista americano Mike Winkelmann, conhecido como Beeple, criou uma imagem virtual por dia de 2007 até janeiro de 2021, totalizando 5 mil obras de arte.


Em março de 2021, o NFT com a colagem de todas essas imagens foi vendido por incríveis US$ 69,3 milhões.



2. Human One (Beeple)


O mesmo Beeple figura também na segunda colocação da lista. Dessa vez, com uma obra híbrida (física e virtual), intitulada Human One.


A parte física é uma “escultura de vídeo cinética”. Ou melhor, quatro esculturas, com as imagens de figuras humanas caminhando com vestes de astronautas. A obra foi vendida por US$ 28,9 milhões.


3. CryptoPunk #4156


CryptoPunks é uma coleção de personagens em pixel art, desenvolvidas pelo estúdio Larva Labs, composto por uma dupla de desenvolvedores canadenses.


Em 2017, foram criadas 10 mil imagens, que têm sido revendidas em coleções a preços bastante altos. O personagem de número 4156 foi vendido em 2021 por US$ 10,2 milhões.


4. CryptoPunk #3100


Mais uma imagem de pixel art da coleção CryptoPunks. Essa foi vendida por US$ 7,67 milhões.


5. CryptoPunk #7804


Fechando a lista trazida pelo Yahoo! Finance, temos mais um personagem da coleção criada pelo Larva Labs. A imagem CryptoPunk #7804 foi vendida por US$ 7,57 milhões.


Analise seus investimentos com o NEXT Finance!

Vantagens de investir em NFT


Se você está cogitando comprar um NFT como investimento, antes de tudo é preciso saber que se trata de um investimento especulativo e de risco.


Vamos explicar melhor no tópico seguinte, ao abordar as desvantagens, mas essa característica também traz uma grande vantagem: não há limites para a rentabilidade potencial da revenda de um NFT.


Assim, o investidor que tem um bom palpite sobre a valorização de um ativo representado por um NFT pode ganhar bastante dinheiro.


Os CryptoPunks que apresentamos acima e hoje valem milhões, por exemplo, foram originalmente distribuídos de graça, podendo ser coletados por qualquer um que possuía uma carteira virtual na Ethereum.


Outro atrativo do NFT como investimento é o caráter lúdico. Diferentemente de outros ativos, os tokens não fungíveis podem estar vinculados a algum tipo de divertimento para o seu titular.


Colecionadores, por exemplo, encontram nos NFTs ao mesmo tempo um hobby e um ativo financeiro. Por fim, podem compor uma estratégia de diversificação, expondo a carteira de investimentos a variáveis que outros ativos não contemplam.



Desvantagens de investir em NFT


Repetindo: as NFTs são investimentos especulativos e de risco.


É muito difícil prever quais itens vão se valorizar e compensar o investimento feito. Em muitos casos, é uma aposta.


Fazendo novamente uma comparação com uma pintura tradicional, por mais bonito que seja um quadro, ele nunca será considerado uma opção de investimento ortodoxa.


E ainda há o grande problema da liquidez. Quando um investidor resolve revender uma NFT e lucrar com a valorização do ativo, pode demorar um bom tempo até encontrar um comprador.


Para finalizar, o investidor precisa ficar atento ao risco de fraudes, com NFTs vinculados a itens falsamente declarados originais.


Vale a pena investir em NFT?


A resposta depende bastante de qual é o seu perfil de investidor.


Os NFTs só são recomendáveis para os investidores de perfil arrojado, dispostos a correr mais riscos em troca de uma rentabilidade potencial maior.


Melhor ainda se tiver uma boa familiaridade com as novidades do mundo virtual. Estar por dentro dos games e memes da moda, por exemplo, pode ser bastante útil.


Mas, mesmo para esses, não é inteligente aplicar um percentual alto de seu patrimônio em tokens não fungíveis.


A dica é: invista um dinheiro que você está disposto a perder. Mas é claro que a valorização dos NFTs não é modelada totalmente pelo acaso.


Há oportunidades — e a tendência é que surjam cada vez mais — que podem ser identificadas com critérios objetivos por quem compreende bem a dinâmica da cibercultura e do metaverso.


O que achou? Faz sentido apostar em NFTs ou esse é um investimento arriscado demais para o seu perfil?






43 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo