• Paiva Piovesan

Você sabe o que é um plano de contas?



O plano de contas é o cadastro estruturado de todos os tipos (também chamados de categorias) de receitas (entradas) e despesas (desembolsos), para posterior classificação de suas transações.


Para o controle financeiro, precisamos definir um plano de contas gerencial e não contábil, considerando que:


Despesas: todos os tipos de desembolsos, custos, perdas, pagamentos e também tudo aquilo que deixo de receber, como, por exemplo, um imposto retido de um faturamento ou uma taxa de comissão de venda em cartão de crédito.


Receitas: todos os tipos de recebimentos, entradas e tudo o que deixo de pagar, ao quitar a compra, como um imposto retido de um fornecedor ou um desconto recebido por antecipação de pagamento.


Você conhece a origem do seu dinheiro e como ele é efetivamente aplicado? Já pensou nos gargalos e “ralos”, pelos quais o dinheiro é desperdiçado? Todas as suas transações são devidamente classificadas e controladas? Consegue identificar os gastos prioritários, essenciais e os supérfluos?


Para que tenhamos análises consistentes e facilidade em identificar nossas fontes de receitas e destinos do dinheiro, o plano de contas precisa ser adequado ao tipo de controle financeiro (pessoal ou de um empreendimento), permitindo a classificação de todas as movimentações, isto é, o plano de contas gerencial deve ser o mais abrangente possível para a sua realidade.


Os tipos de despesas e receitas podem ser agrupados por semelhança e estruturados em árvore, isto é, podemos criar subdivisões dos tipos, de acordo com a necessidade. Aproveitando conceitos da contabilidade, estamos falando dos tipos analíticos (utilizados para a classificação dos lançamentos) e sintéticos (que totalizam os seus subtipos), oferecendo uma visão consolidada.


Veja no exemplo abaixo, uma amostra de estrutura com tipos e subtipos de despesas: