Propaganda-fluxo-de-caixa.png
  • Débora Prota

Antecipação de Recebíveis: uma alternativa para equilibrar o fluxo de caixa.




Um dos principais desafios dos gestores é manter a saúde financeira das empresas, independente do porte das mesmas. Para tanto, é preciso planejar, acompanhar todas as movimentações, monitorar os resultados e o fluxo de caixa, para agir e solucionar os possíveis desvios com assertividade.


Em alguns momentos, o empreendedor precisa recorrer ao crédito, para suprir o capital de giro ou cobrir o fluxo de caixa negativo. E uma das alternativas é a Antecipação de Recebíveis, que será tratada no artigo de hoje da [4ª DA GESTÃO]. Entenda melhor como funciona esta opção, oferecida pelas instituições financeiras e saiba quando é interessante recorrer ao serviço.


O que é antecipação de recebíveis?


Antecipação de recebíveis ou adiantamento de recebimentos é um serviço oferecido pelas instituições financeiras que permite às empresas receberem valores antes do prazo negociado com seus clientes. A operação se trata de um adiantamento de um direito de recebimento futuro, referentes às vendas a prazo, parceladas, com duplicatas, boletos, carnês, cheques pré-datados ou cartão de crédito.


Funciona como se a instituição financeira comprasse das empresas o direito de receber o título no futuro, pagando menos que o valor nominal que seria recebido, já que são descontadas taxas administrativas e juros pela antecipação do dinheiro.


Para fechar vendas, muitas vezes, precisamos oferecer aos nossos clientes condições de pagamento a prazo ou parceladas, mas os desembolsos para a entrega dos produtos vendidos ou serviços contratados podem ocorrer antes da entrada do dinheiro em caixa. Assim, o fluxo de caixa fica negativo e pode ser necessário encontrar uma alternativa para pagar as contas, se não tivermos recursos próprios para cobrir o capital de giro ou não desejarmos recorrer a um empréstimo tradicional e burocrático. Então, a antecipação de recebíveis é uma saída simplificada, a curto prazo, já que permite o recebimento hoje de um dinheiro que já seria nosso, porém precisaríamos esperar para ter acesso a ele.


Esta é uma alternativa para cobrir despesas urgentes e reequilibrar o fluxo de caixa, com alguns diferenciais: taxas de juros inferiores do que os cobrados em um empréstimo e dispensa garantias adicionais, a não ser os próprios títulos negociados.


Mas como tudo nas finanças, os gestores devem recorrer ao serviço apenas como medida pontual e de curto prazo, sempre com muito planejamento e organização, já que estará antecipando um recurso que no futuro não entrará no seu caixa. E vale ressaltar que, em caso de inadimplência, se o título não for quitado pelo cliente na data de vencimento, o valor nominal é cobrado da empresa. Portanto, o gestor deve ter muito discernimento para definir quais títulos devem ser antecipados e o montante ideal a ser descontado; ou poderá arcar com grandes prejuízos no futuro.


Qual a diferença entre empréstimos e antecipação de recebíveis?


Por oferecer menor risco a instituição financeira, já que a antecipação de recebíveis está diretamente relacionada a um contrato já firmado, este processo normalmente é mais fácil e barato de contratar do que um empréstimo para o capital de giro, principalmente para as micro e pequenas empresas.


Em geral, os empréstimos são mais caros, já que as instituições cobram taxas de avaliação de crédito e juros mais altos, conforme os riscos de inadimplência envolvidos. É comum que sejam exigidas garantias das empresas, para que o crédito seja concedido, tendo em vista que a instituição empresta para a empresa um dinheiro dela e quer receber este dinheiro de volta, devidamente corrigido e remunerado. É importante entender que, no momento da tomada de crédito, as empresas ainda não possuem o dinheiro para quitar os empréstimos (caso contrário, não precisaria recorrer a esta opção); o recurso ainda precisará ser gerado e estar disponível no momento do vencimento das parcelas. Assim, os riscos são mais elevados, os juros, mais altos e o processo, mais burocrático.


Na antecipação de recebíveis, o dinheiro já é da empresa, mas ainda não foi recebido e o gestor está recorrendo a uma operação legal, para adiantamento deste recebível. A instituição compra estes direitos de recebimento, pagando um valor menor que o nominal e, caso o título não seja quitado, a responsabilidade pela cobrança retorna para a empresa. Assim, o risco de inadimplência é reduzido e, por isso, os juros cobrados na operação costumam ser bem menores.


Devemos destacar que é os empreendedores devem conhecer e avaliar todas as opções oferecidas pelas instituições, decidindo pela que oferecer o menor custo financeiro e apresenta melhor alinhamento ao planejamento da empresa.



Como é calculado o valor recebido com antecedência?


Você já deve saber que o valor do dinheiro muda com o tempo, isto é, uma determinada quantia monetária no presente vale mais que este mesmo montante no futuro. O conceito se sustenta na relação entre juros e tempo, ou seja, no fato de que o dinheiro pode ser remunerado por uma determinada taxa de juros, por um período de tempo.


O processo de antecipação de recebíveis leva em consideração este conceito: recebo, no presente, um montante financeiro menor do que receberia no futuro, já que preciso considerar os efeitos dos juros no tempo. Além disso, algumas instituições podem cobrar taxas administrativas pelo serviço.


Assim, para calcular o valor recebido com antecedência, as instituições financeiras descontam as taxas administrativas do valor nominal do título e aplicam os juros compostos proporcionais ao tempo de antecipação do título.


Para exemplificar, imagine a seguinte situação:


Você negociou, com seu cliente, o recebimento de uma venda, no valor de R$ 1.000,00, por boleto com vencimento em 45 dias. Mas está precisando de recursos, hoje, para pagar seu fornecedor e decidiu antecipar este crédito. Seu banco cobra uma taxa administrativa de 2% do valor nominal e juros de 1,5% a.m, para antecipação do recebível.


Então, o seu valor futuro (FV) será de R$ 980,00. Convertendo a taxa de juros mensal para juros ao dia, teremos a taxa (i) de 0,04964% a.d.


Considerando o período (n) de 45 dias de antecipação, o valor presente (PV) a ser recebido hoje será: R$ 958,36.


Este cálculo poderá ser facilmente realizado com a utilização de uma calculadora financeira (como a HP 12C) e no recurso "Calendário Financeiro" disponível em nosso software Finance V20:



O software financeiro da Paiva Piovesan oferece também recursos para controle de descontos de cheques e duplicatas, que simplifica a gestão deste processo de antecipação de recebíveis.



Quem pode oferecer o serviço para as empresas?


Diversas instituições financeiras estão autorizadas a oferecer o serviço de antecipação de recebíveis, como os bancos, FIDCs (Fundos de Investimentos em Direitos Creditórios) e Factorings. Consulte o gerente de sua conta bancária, para verificar as condições aplicadas.


Hoje, com o Open Banking, é possível contratar o serviço de uma instituição com quem sua empresa ainda não possui relacionamento.


Você também pode consultar as condições oferecidas por diversas instituições em um marketplace financeiro, como a Finplace.


Pesquise e busque a melhor opção para sua empresa.


Cuidado: Antecipar seus créditos deve ser uma alternativa emergencial e não rotineira!


Devemos alertar que o serviço de antecipação de crédito deve ser utilizado mais para situações emergenciais, não como rotina na gestão financeira. Recorrer a este tipo de crédito com muita frequência pode, em vez de solucionar um problema pontual, criar um desequilíbrio em seu fluxo de caixa e elevar consideravelmente seus custos financeiros.


Reforçamos que o planejamento e a organização são fundamentais para decisões de como e quando utilizar o serviço.


Fique atento às suas finanças e pense sempre a longo prazo, para seu sucesso e estabilidade.


Outras opções para crédito oferecidas para as MPE's:


Recentemente, o Governo Federal disponibilizou novas linhas de crédito para socorrer micro e pequenas empresas durante a pandemia do novo coronavírus, via Pronampe (Programa de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte). Esta pode ser uma opção para obtenção de crédito, porém as altas taxas de juros atuais podem dificultar o acesso dos empresários a essa ajuda. Neste programa, os bancos emprestam dinheiro a empresários tendo como garantia recursos de um fundo público. Vale pesquisar a opção.


Diversas instituições de apoio às MPE's, como o Sebrae e entidades de classe, também criaram linhas de crédito em parceria com instituições financeiras. Investigue e busque soluções mais adequadas ao seu perfil.


Mantenha a saúde financeira de sua empresa sob controle!


Se você quer simplificar a gestão financeira de sua empresa, invista no NEXT Finance e esteja preparado para enfrentar qualquer crise!


Saiba mais sobre as nossas soluções e entenda como podemos te ajudar!



Gostou do conteúdo? Curta, compartilhe com os amigos e leia todos os nossos posts no Blog.


Veja também:


[4ª DA GESTÃO] Gestão financeira em tempos de crise


[4ª DA GESTÃO] Capital de Giro: Qual é o valor necessário para manter a sua empresa em funcionamento?


[4ª DA GESTÃO] Como fazer a gestão de Contas a Receber?


[2a. INVEST] Onde investir em Agosto/2022 e como usar as estratégias a seu favor


[2a. INVEST] FGTS é também uma forma de previdência que pode se transformar em investimento


[2a. INVEST] A Bolsa brasileira é hoje uma oportunidade?


17 visualizações0 comentário